Índice

Veja o novo livro:
A arte da guerra chinesa: uma história da estratégia na China de Sunzi a Mao Zedong
Sem sombra de dúvida, a Arte da Guerra de Sunzi [Sun Tzu, numa grafia mais conhecida] é o livro chinês mais publicado, divulgado e vendido não apenas no Brasil, mas também na maior parte do mundo Ocidental. Esse antigo tratado sobre a guerra ganhou uma dimensão inesperada, saindo das academias militares e alcançando o grande público, sendo avidamente consumido por professores, empresários, políticos, pensadores, e mesmo, pelo público leigo. Existem várias razões para esse sucesso. A Arte da Guerra é um livro simples, direto e acessível, que encontrou acolhida entre todos aqueles que queriam saber um pouco mais sobre as técnicas militares chinesas: surpreendentemente, porém, ele não é o único livro sobre estratégia a surgir na China. Ficaremos surpresos ao descobrir que os chineses já escreveram diversos livros sobre a questão da guerra, e muitos concorriam com o de Sunzi na predileção do público. Veremos, ainda, que toda uma escola filosófica se construiu, ao longo dos séculos, em torno da questão da estratégia, e que em pleno século XX, líderes como Mao Zedong empregavam as artimanhas de Sunzi em batalha – e disputavam o prestígio de serem conhecidos como “conhecedores” da arte da guerra. Assim, o que veremos nesse livro é a longa história sobre a gênese e o desenvolvimento do pensamento militar chinês, alguns de seus muitos autores, e como essa escola de estrategistas atravessou os séculos e continua bastante atual. Abordando um aspecto pouco conhecido da filosofia chinesa, veremos como a China não se resumia a Confucionismo, Taoísmo ou Budismo – mas que os estrategistas estavam presentes em todas as grandes conquistas da civilização chinesa, e que Sunzi teve um papel fundamental nessa história.




O objetivo desta seleção é, antes de tudo, fornecer uma base didática para o estudo da China Antiga. Longe de ser uma base completa, trato aqui dos dados mais superficiais e abrangentes que possam conduzir o interessado num estudo sério e esclarecido sobre o tema, de modo a realizar uma exposição que não seja nem cansativa, nem muito complexa. Inevitavelmente, somos obrigados a nos deparar com algumas relativizações teóricas necessárias ao aprofundamento do estudo desta civilização, cujas especificidades invocam um olhar bastante cuidadoso. No entanto, nos deteremos, aqui, num conjunto de explanações básicas que sirvam de referencial a todas estas questões. Igualmente, a determinação dos elementos bibliográficos serve a proposta inicial de tornar um pouco mais acessível este nosso estudo. Buscamos, pois, indicar textos que sejam facilmente encontrados, que estejam em nosso idioma e que sejam de academicamente válidos, afastando-me propositalmente de toda e qualquer publicação de caráter exotérico ou de fonte duvidosa. No caso específico da sinologia, sabemos que tais textos abundam em profusão, dificultando o estudo sério da China e comprometendo um trabalho esclarecido.

André Bueno


.......................................................

ÍNDICE


. História - Uma apresentação geral sobre a história da China, organizada através dos seus principais períodos dinásticos.

. Historiografia - Apresentação sobre as teorias e formas de escrita historiográficas da China tradicional.

.
O Pensamento Chinês - Textos sobre a história do pensamento chinês, seu desenvolvimento e conexões com o pensamento ocidental.

.
Religião e Mitologia - Os principais cultos chineses, a interpretação religiosa das escolas filosóficas, religiosidade popular e outras religiões na China.

. As Ciências na China - Como era a matemática, a física, a geografia, etc. na China Imperial? Uma apresentação diversa do tema, a partir dos trabalhos de Colin Ronan.

. A arte chinesa através dos tempos - A evolução da arte chinesa desde os primórdios na Dinastia Shang atés os dias de Hoje.

. Webgrafia - Sugestões bibliográficas e links interessantes para a pesquisa sinológica.

..................................................

obs: No tocante a grafia dos nomes chineses, preservamos a forma original utilizada nos textos.